ECO SISTEMAS DA REGIÃO

Existem várias áreas em redor da Marina Costabella e nas suas proximidades que são consideradas ambientalmente sensíveis:

  • Unidades de Conservação

São áreas de proteção ambiental. As unidades de conservação (UCs) são legalmente instituídas pelo poder público, nas suas três esferas (municipal, estadual e federal). Unidade de Conservação (UC) é a denominação dada pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) (Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000) às áreas naturais passíveis de proteção por suas características especiais. São "espaços territoriais e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituídos pelo Poder Público, com objetivos de conservação e limites definidos, sob regime especial de administração, ao qual se aplicam garantias adequadas de proteção da lei" (art. 1º, I). Estão divididas em dois grupos: as de proteção integral e as de uso sustentável. A criação e a manutenção de unidades de conservação é uma estratégia mundialmente consagrada para a conservação da biodiversidade. Existe hoje um esforço para a expansão do número de áreas protegidas e o estabelecimento de sistemas de unidades de conservação.

A compilação e armazenamento adequado de informações sobre as unidades de conservação são essenciais para o monitoramento e avaliação dessas áreas e posterior planejamento de estratégias e ações para melhoria de sua gestão.

O Observatório de Unidades de Conservação é uma iniciativa do WWF-Brasil e instituições parceiras para permitir a geração e sistematização de dados atualizados sobre as unidades de conservação brasileiras, com a possibilidade de divulgação de documentos, publicações e fotos dessas áreas, além da geração de relatórios, análises, mapas e gráficos.

Acesse o site do Observatório



  • Área de Proteção Ambiental de Tamoios

A Área de Proteção Ambiental de Tamoios (APA-TAMOIOS) foi criada através do decreto lei nº 9.452 em 1982 e assinada em 1986 com o objetivo de assegurar a proteção do ambiente natural, das paisagens de grande beleza cênica e dos sistemas geo-hidrológicos da região, que abrigam espécies biológicas raras e ameaçadas de extinção, bem como comunidades caiçaras integradas naqueles ecossistemas. A Parte Insular abrange todas as terras emersas da Ilha Grande e de todas demais ilhas que integram o Município de Angra dos Reis, na baía da Ilha Grande, da Ribeira e da Jacuecanga.

Considerada um santuário ecológico, pois abriga rica fauna e flora em remanescentes da Mata Atlântica, a Ilha, que tambem faz parte da Reserva da Biosfera da Unesco desde 1992, está integralmente incluída na Área de Proteção Ambiental dos Tamoios e contém em seu território outras três unidades de conservação: o Parque Estadual da Ilha Grande, a Reserva Biológica e Arqueológica da Praia do Sul e o Parque Estadual Marinho do Aventureiro. Seus principais ecossistemas são praias, costões e formações rochosas, manguezais e estuários.

Durante as caminhadas pelas trilhas, com um pouco de sorte e atenção você poderá observar diferentes espécies de pássaros como papagaios, pica-paus, tiés, sabiás e saracuras. Borboletas de todas as cores estão por toda parte. Macacos e pequenos esquilos também são vistos nas trilhas menos exploradas. A vegetação é muito rica devido à faixa de mata atlântica preservada. Convivem lado a lado desde árvores grandiosas como o jequetibá, guapuruvas e até liquens, musgos e minúsculas hepáticas. Existem muitas espécies de árvores com troncos duros e pesados, uma grande quantidade de cipós se apóiam nas árvores. Encontram-se no chão da mata uma grande quantidade de fungos, sementes e plântulas.

A grande quantidade de matéria orgânica em decomposição sobre o solo dá à mata fertilidade suficiente para suprir toda a rica vegetação. Um solo pobre mantém uma floresta riquíssima em espécies, graças à rápida reciclagem da enorme quantidade de matéria orgânica que se acumula ao húmus.

A reciclagem dos nutrientes é um dos aspectos mais importantes para a revivência da floresta da Ilha Grande.


  • Parque Estadual Marinho do Aventureiro

O Parque Estadual Marinho do Aventureiro foi criado em 1990 pelo então governador do Rio, Moreira Franco, com o objetivo de resguardar atributos excepcionais da natureza, conciliando a proteção da flora e fauna e das belezas naturais, com a utilização para objetivos educacionais, recreacionais e científicos.

A administração e fiscalização do Parque Estadual Marinho do Aventureiro situado na parte Sudoeste da Ilha Grande é de responsabilidade da Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (FEEMA).

O Parque Estadual Marinho do Aventureiro, adjacente a Reserva Biológica da Praia do Sul, tem como limites definidos a Ponta do Drago, prosseguindo pela linha do preamar média de 1831, no sentido nordeste, pela linha de costa, até encontrar a Ponta do Aventureiro.

Desse ponto, prossegue em sentido horário até o ponto mais a sudoeste da Ponta da Tacunduba, incluindo costões rochosos, matacões, e a elevação existente na desembocadura das lagunas do Leste e Sul, e as praias do Aventureiro, Demo, Sul e Leste.


  • Mata Atlântica

Este bioma ocupa uma área de 1.110.182 Km², corresponde 13,04% do território nacional e que é constituída principalmente por mata ao longo da costa litorânea que vai do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. A Mata Atlântica passa pelos territórios dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, e parte do território do estado de Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sergipe. A Mata Atlântica apresenta uma variedade de formações, engloba um diversificado conjunto de ecossistemas florestais com estrutura e composições florísticas bastante diferenciadas, acompanhando as características climáticas da região onde ocorre.

Cerca de 70% da população brasileira vive no território da Mata Atlântica, as nascentes e mananciais abastecem as cidades, esse é um dos fatores que tem contribuído com os problemas de crise hídrica, associados à escassez, ao desperdício, à má utilização da água, ao desmatamento e à poluição.

A biodiversidade da Mata Atlântica é semelhante à da Amazônia. Os animais mais conhecidos da Mata Atlântica são: Mico-Leão-Dourado, onça-pintada, bicho-preguiça e capivara.

http://www.ibflorestas.org.br/bioma-mata-atlantica.html


  • Reserva Biológica da Ilha Grande

A baía da Ilha Grande origina-se de uma grande reentrância na linha da costa, que possui na sua barra, uma grande ilha, dividindo esta baía em duas grandes seções. Uma, onde encontramos a baía de Jacuecanga e outra, onde encontramos a baía da Ribeira.

A baía da Ilha Grande, é formada por uma infinidade de enseadas e sacos e a presença das fracas correntes junto a linha do litoral, preenche-os com fino particulado que quando depositado no leito marinho, provoca a formação de vastas áreas de manguezal em baixios litorâneos.

Ao fundo da baía da Ilha Grande encontramos a Serra do Mar, onde pelas condições geológicas e geomorfológicas da plataforma continental em confrontação com a linha da costa, proporciona a formação de um grande anfiteatro de montanhas escarpadas, constituindo um grande paredão abrupto que mergulha em sentido as baixadas sedimentares litorâneas, formando um importante acidente ao longo da costa.

Toda a extensão da Serra do Mar é recoberta pela Mata Atlântica, formação florística recente com cerca de 150 mil anos, que hoje no Brasil possui apenas 8% do seu tamanho original. Em Angra dos Reis, a Mata Atlântica, recobre cerca de 90% do território municipal.

Em vários pontos da costa municipal, encontramos três tipos de litoral. Um, quando é formado por rochas outro, quando é formado por mangues e um terceiro, quando é formado por praias. Neste último caso, as pequenas enseadas preenchidas por finas partículas de quartzo que constituem os sedimentos arenosos, que no entendimento de especialistas, foram formadas através da deposição de sedimentos trazidos de outros lugares por correntes marinhas profundas.

Nas áreas protegidas da baía, as praias são formadas a partir da sedimentação de partículas onde, dependendo da composição do particulado, da profundidade, da temperatura das águas e da velocidade das correntes, formam praias lodosas ou praias arenosas. A areia no caso é proveniente de jazidas marinhas, enquanto que os finos particulados de argila e matéria orgânica provêm do continente, através do constante aporte no mar da baía, de água doce proveniente dos rios da região.

O litoral de Angra dos Reis é especial. Formado a partir do afundamento do bordo oceânico e do rebaixamento da água do mar após a última Transgressão Flanderiana,ocorrida entre 12 e 16 mil anos atrás, as ilhas hoje existentes, são o cume dos morros litorâneos que ficaram submersos. No cenário nesográfico da baía da Ilha Grande, as ilhas, ilhotes, lajes, rochedos e parcéis, embelezam a paisagem, onde dentre as mais de 100 ilhas existentes encontramos como principais a Ilha Grande, a Gipóia, as Ilhas Cataguás e as Ilha Botinas.


  • Reserva legal com 30 ha de Manguezal. Na parte continental de Angra dos Reis, os principais manguezais são os que se localizam no Saco do Ariró e no Saco do Bracuí. Na Ilha Grande, é o que se localiza na Praia do Sul, as margens das lagunas do Sul e do Leste.

Os manguezais são áreas de baixio litorâneo preenchidas por vegetação característica de áreas que sofrem a ação direta das marés.

São constituídos por solo formado por vaza lodosa, que servem como substrato ao crescimento de vegetais, sendo os mais característicos da região neo- tropical, a Rhizophora mangle (mangue preto), a Aviscenia shaueriana (mangue branco) e a Laguncularia racemosa (mangue siriúba).

Essas 03 espécies vegetais preenchem os baixios litorâneos em quase sua totalidade em Angra dos Reis e do total das áreas ocupadas até o início da década de 80 por este tipo de vegetação, apenas cerca de 50% ainda encontram-se recoberta por manguezal.

Os manguezais são considerados os berçários marinhos. As enseadas e sacos mantêm abrigo e proteção a fauna marinha. Os manguezais, por sua vez, reúnem condições ideais a reprodução e alimentação de diversas espécies de peixes, crustáceos e aves.

Por ser uma vegetação litorânea típica de áreas protegidas contra a ação das vagas oceânicas e dos fortes ventos, crescem em ambientes denominados de estuários, que sempre se localizam na foz de rios e no fundo das enseadas e sacos.

Na parte continental de Angra dos Reis, os principais manguezais são os que se localizam no Saco do Ariró e no Saco do Bracuí. Na Ilha Grande, é o que se localiza na Praia do Sul, as margens das lagunas do Sul e do Leste.